Vegas club se despede da noite paulista

Fiquei muito chateado ao saber do fechamento do Vegas club nesta segunda. Na sexta iria tocar mais uma vez numa das cabines que mais me fizeram a alegria nesta última década. O local surgiu como um forte concorrente e quase ameaçou a supremacia de algumas casas veteranas no agitado circuito noturno de SP.

Assim como os finados Torre do Dr. Zero, Club BASE, StereoAmp Galaxy, e outros clubes que proporcionaram boa música e diversão para este que vos escreve, o Vegas também estará na minha lista e vai deixar saudades. Semana passada resolvi ir duas noites seguidas por lá. Nem imaginava que isso fosse acontecer.

Fica a imagem daquele misterioso senhor que dançava todas as noites por lá e muitas festas memoráveis que tive o prazer de participar como DJ e frequentador.

Segue a carta aberta publicada online:

“É com pesar que anunciamos o fechamento do Vegas a partir desta semana do dia 16/04/2012.

O Vegas teve um ciclo de sete anos, e ao longo destes anos todos a noite de São Paulo e especialmente a rua Augusta mudou para melhor. É possível contar a história da noite recente de nossa cidade através de um antes e um depois do Vegas: coincidência, timming, chame como quiser, mas a noite de São Paulo floresceu desde a abertura do projeto. A rua Augusta, antes desolada, hoje representa a cara de nossa cidade. E ironicamente foi o sucesso do clube e, por consequência, da rua Augusta, que acabou por vitimar o Vegas: o galpão onde o mesmo se encontra recebeu uma proposta de compra milionária para ali ser montado um empreendimento imobiliário. Como inquilinos nunca poderíamos cobrir a oferta que o imóvel recebeu e batalhamos até o último segundo, mas nesta segunda-feira resolvemos jogar a toalha. O Vegas tombou não por conta da falência do projeto, mas em virtude do preço do metro quadrado na região, hoje uma das mais valorizadas de São Paulo.

Foram noites memoráveis e do Vegas saíram outros 5 projetos que entregamos para São Paulo, sem contar as dezenas de clubes e bares que povoaram a rua e a transformaram em cartão postal de São Paulo. O ciclo, hoje, se encerra. Ao longo deste sete anos foram incontáveis os amigos, os parceiros, as alegrias que o clube proporcionou. O Vegas foi a porta de entrada para muitos profissionais que atuam com sucesso na noite paulistana hoje, e só por isso ele já cumpriu sua função histórica. Lançou antes de muitos novas estéticas no campo da música e do vídeo, teve em seus palcos os melhores DJs do Brasil e do mundo, foi pauta da imprensa internacional, serviu de referência para clubes Brasil afora e teve seu nome e seu projeto clonado pelo menos 4 vezes ao longo dos anos, prova incontestável de seu sucesso. O Vegas nunca mais deixará a memória e os corações de quem ali trabalhou e dos clientes que passaram suas noites ao nosso lado.

Portanto, nada de tristeza aqui. Somos imensamente gratos ao clube que serviu de fundação para a Nova Augusta. Cumprimos com louvor o objetivo do projeto.

O Vegas está morto. Viva o Vegas!

Nós.”