Entrevista: The Pro

Brasília continua a render bons frutos musicais em meio a sua paisagem seca e inóspita.  Lucy & The Popsonics, Club Silêncio, The Random e Tiro Williams, foram alguns nomes da cena independente que fizeram um certo barulho no circuito de shows e sites/blogs voltados a cultura alternativa.

O The Pro é mais um bom grupo que chega para engrossar o caldo no meio sonoro do Distrito Federal. Absorvendo referências do rock do século 21 com batidas eletrônicas que remetem a década de 80, o quinteto prepara-se para lançar seu novo trabalho e um clipe retrô-moderno para a faixa “Isso é o Fim“, com estréia prevista para o dia 26/09.

O disco foi produzido parte no exterior & parte no KGB estúdio. A edição foi feita no já folclórico  Macaco Malvado. Talvez, o estúdio favorito de diversos artistas locais que procuram dar um “punch” em seu som. Os rapazes conseguiram achar um elo entre o indie o pop (no bom sentido). Trazendo composições que facilmente podem grudar no ouvido.

Ouvi uma prévia do recente álbum e bati um papo com eles. Leiam abaixo.

1 – Como o grupo foi formado? Já tiveram outros projetos como banda cover no passado?

A banda começou em 2005. Todos tivemos outros projetos principais antes, mas todos autorais. Claro que sempre houve participações em bandas covers, mas nada sério.

2 – Tenho ouvido bons artistas vindos de Brasília. O clima seco e o tédio semanal colaboram com isso?

Às vezes até demais. Com certeza deve ter colaborado! Nas questões que envolvem apoio a cena e público, estamos vivemos uma época sombria do Rock, principalmente aqui em Brasília. Mas, por outro lado, o que é incrível é que acho que boa parte das melhores bandas do país estão aqui. Uma terra de extremos com certeza.

3 – De onde surgiu o nome “The Pro”?

O “The” surgiu da idéia de homenagear nossos artistas favoritos. Além de ser muito massa ter uma banda que começa com THE. O “Pro” veio da idéia de progressivo, próximo… Que claro sempre é confundido com PROfissional. Hoje faz muito sentido, pois até sofremos muito por sermos ainda uma banda pequena e com exigências tão profissionais. As pessoas que trabalham com a gente e nossos amigos não entendem. Somos humildes, mas queremos ter a casa limpinha (risos).

4 – Como foi abrir para o Franz Ferdinand? Rolou uma campanha na rede?

Demais. Com certeza nosso maior público. Uma recepção fantástica de todos naquele dia. E o melhor, no final falamos com toda a banda, tiramos fotos. Os caras são bem simpáticos e legais. Perguntaram até se gostamos do show? Claro bicho!! Gostamos demais!!! Thank you, Thank you man!! Rolou sim uma campanha na net. Fizemos até um vídeo. Rendeu o maior número de votos de todo o país. Depois disso o Franz escolheu a gente entre a outra selecionada, segundo o produtor que nos ligou.

5 – O som de vocês bebe muito na fonte do rock dos 2000, mas tem um ar 80 algumas vezes. Vocês curtem alguns grupos dos 1980 e 1990?

Nós nascemos nos anos 80. Acho que é isso (Risos). Se você notar, a maioria dos sons do 2000 são os anos 80 com Sub Grave. Moderno hoje em dia é ser retrô. Teorias a parte, nós só tocamos o que nos dá prazer de tocar. Se estamos neste universo musical, estamos vivendo isso. Eu por acaso sou totalmente nostálgico, e os sons das outras décadas mexem mesmo comigo.

6 – O quê vocês tem ouvido ultimamente?

Nossa. Sem passar de 10 nomes e sem ficar com pena de tirar nossos favoritos?
(todos nós juntos) Cut Copy, Digitalism, Gossip, Twin Shadows, Strokes, Arctic Monkeys, Beach House, Spleen United, Ford & Lopatin …

7 – O clipe de “Isso é o Fim” é bem retrô-futurista. Quem teve a ideia de utilizar essa estética?

Toda a direção de arte e produção do disco foram planejadas com o mesmo conceito. Desde o início eu sabia o que queria. Só não sabíamos se iríamos conseguir (Risos). Este projeto tem por símbolo uma criança, que por sua vez nos representa. Acho que o termo retrô-futurista e o codinome do nosso albúm “Isso é o fim” fazem bastante sentido. Isso se trata de travar uma guerra para fazer apenas um CD. Ainda acreditar na música como arte e sofrer por isso? Isso é o fim!

8 – E quando poderemos ouvir o novo álbum na íntegra?

Programamos a divulgação pela internet para o dia 26 de outubro. Antes disso, vamos lançar alguns singles… E, por acaso, começamos aqui e agora. A união faz a força. Todos Juntos!

Links:

Trama Virtual: http://tramavirtual.uol.com.br/the_pro

Myspace: http://www.myspace.com/bandathepro

YouTube: http://www.youtube.com/user/bandathepro