Entrevista: Some Community

E a cena independente continua a se mexer, mesmo com muitos céticos declarando a sua morte. O quinteto Some Community está nas lista de nomes recentes que está fazendo a diferença nos palcos e ouvidos da nova geração.

O grupo tem sido presença  constante em festas e eventos ligados a cena noturna. E preparam-se para tocar no FourFest e abrir o show remarcado dos australianos do Cut Copy. Apresentando faixas do recente “Rino Rino“.

Power pop, noise e experimentações sonoras fazem parte da seleção de influências destes paulistas que de certa maneira, acabaram fisgando ouvintes de décadas atrás por levarem consigo referências da época áurea do rock alternativo.


Abaixo, a conversa que tive com Fernando Fernandes que falou um pouco mais sobre como anda o mercado para artistas de indie rock e como foi a experiência de tocar no exterior.

1 – Como rolou de formar a banda? Vocês tinham outros projetos antes do Some Community?

Todos nós tivemos bandas antes mas todas bem diferentes umas das outras. Cada um tocava um estilo diferente mas todos esses projetos nunca tomaram corpo efetivamente. Em dezembro de 2008 eu e a Veronica resolvemos nos juntar pra fazermos musicas. Nessa época a Gabi e a Vanessa, nossa antiga baterista, toparam entrar em estudio com a gente. A juliana veio por ultimo porque precisavamos de alguém que cantasse e já sabiamos que a Juliana adorava cantar. Em setembro do ano passado a Vanessa resolveu voltar à arquitetura e o Marco se juntou a nós.

2 – A pergunta que sempre faço – De onde surgiu o nome do grupo?

O nome surgiu numa mesa de bar. Precisavamos de um nome e escolhemos esse porque achamos legal. Tinha a idéia da comunidade que sempre foi uma coisa que sempre chamou atenção pra nós.

3 – Nota-se uma fortíssima influência de guitar e indie bands dos anos 90. Quais bandas desse período lhes agradam mais?

A gente costuma dizer que nossas influências vão de Joy division a Daniela Mercury. As bandas dos anos 90 influenciam muito nossas linhas de guitarra: Dinosaur Jr, Pixies, Superchunk, Sonic Youth. Acho que são unanimes entre todos nós da banda.

4 – Como foi a temporada fora do Brasil. Assistiarm algum show que ficou na memória?

A nossa idéia de ir pra fora era justamente se fortalecer como banda e conhecer coisas novas. Quando rolaram os convites pro SxSW e pro CMW ficamos super empolgados e resolvemos fazer um tour. Tocamos com bandas muito boas como o Deleted Scenes; e vimos shows excelentes, No Joy, Owen Pallett, Kills, Braids, Twin Shadow, entre vários outros.

5 – Depois da boa divulgação pelo clipe de “Young & Fresh”, vocês tem planos de produzir mais vídeos? Acham que nos dias de hoje esse tipo de mídia é ainda indispensável?

O vídeo de Young and Fresh veio por conta do Rafael, marido da Juliana, e ficamos muito satisfeitos com o resultado. Queremos sim fazer mais vídeos. Eu acho que hoje em dia o vídeo ainda é um elemento ótimo para divulgação e até pra vincular uma imagem ao som. Queremos lançar material novo no final do ano e acho que produziremos um vídeo junto com esse material.

6 – Até agora, qual foi a melhor apresentação que fizeram?

Acho que a melhor apresentação que fizemos foi o showcase oficial do South by Southwest esse ano. Passamos 3 semanas dormindo pouco, tocando, comendo mal e no ultimo show do south by, rolou um momento que a gente colocou nossa vontade de produzir música dentro de um show. Foi lindo.

7 – Como acham que anda a cena independente nesse início de década. O que melhorou e piorou?

A cena brasileira está começando a se fortalecer hoje em dia. Eu sinto que a coisa é um pouco mais organizada. Existem os coletivos e outras iniciativas, mas ainda muito embrionário. Por outro lado, eu acho que o público já está mais fortalecido e mais interessado na produção de música no Brasil. Tem muita gente fazendo ótimos trabalhos por aqui.

8 – Quando podemos vê-los em ação em breve?

Tocamos aqui em São Paulo dia 15, no Fourfest com o Pains e o Ariel. Aí 21 de outubro, com o Cut Copy. Além disso estamos com algumas datas pelo Brasil. A maneira mais fácil de ver é pela nossa fanpage do facebook.